4 tendências no mercado de energias renováveis

Como todos os anos, existem tendências mercadológicas para todos os setores. Para 2021, na área de energias renováveis, não é diferente.

O ano de 2020 foi um ano difícil para várias áreas e nos surpreendeu de todas as formas possíveis.  A pandemia da Covid-19 mudou nossos caminhos de muitas formas, nos fazendo passar por incontáveis readaptações.  Porém, o mercado de energias renováveis, que também se readaptou, foi um pouco diferente. 

Por mais que a pandemia tenha sido uma adversidade na vida de muitos negócios, esperava-se que as energias renováveis, por conta da crise, reduzissem a adesão. Mas não foi isto que aconteceu.  Este mercado continuou, em 2020, crescendo em ritmo acelerado e batendo recordes. A transição entre energias não renováveis para as renováveis nunca foi tão positiva. E tudo isto surpreendeu positivamente.  

pandemia e energias renováveis

Com isso, o acesso à energia limpa e eficiente é popularizado. A própria sociedade, passa a entender que este tipo de mudança é necessário e benéfico para a natureza. Atualmente a matriz energética brasileira já tem como maioria principal as fontes renováveis de energia. O Ministério de Minas e Energia diz que as gerações renováveis são 83% da energia no Brasil. A hidrelétrica predomina. 

O que vem por aí?

Agora que estamos em 2021, neste ano que já está correndo, é hora de olhar o que pode está vindo por aí. O que já é tendência e continuará forte? O que pode não continuar com intensidade no mercado? Que tipos de negócios no mercado de energias renováveis ganharão mais força e espaço? Continue lendo o texto que vamos dizer 4 possíveis tendências do mercado energético para 2021 e nos próximos anos.

“Energy as a service”

energias renováveis como um serviço

Com o avanço da digitalização geral no mercado, torna-se inevitável que essa onda atinja o mercado energético. 

O “Eaas” (energy as a service) tem como intuito ser um modelo de negócios que facilita o acesso de empresas às formas de energias renováveis. Com parcerias entre empresas interessadas e as que fornecem a opção de de energia sustentável, fica muito mais acessível para o meio empresarial fazer este tipo de transição.

Empresas que oferecem o Eaas, têm todos os recursos necessários para que as empresas parceiras melhorem sua eficiência energética. E tudo com custo reduzido. 

Das bombas de gasolina às tomadas

energias renováveis - carros elétricos

Os veículos que se movem sem a necessidade de combustão são cada vez mais inseridos — e necessários — no mercado.  O mundo inteiro caminha para que os carros sejam elétricos. Muitos países estão se adiantando nesse quesito. Aqui no Brasil um projeto de lei foi aprovado no Senado, que impede a comercialização de veículos que sejam movidos à combustão, a partir de 2030. O mesmo PL também diz que a partir de 2040, automóveis que se movem a gasolina não poderão circular mais. Tudo depende da votação que ainda deve acontecer. Se entrar em vigor, daqui alguns anos, poderemos não mais ver carros que soltam fumaça por aí. 

Portanto, para 2021, é provável que carros elétricos ganhem ainda mais espaço no mercado. Trazendo passos importantes para essa transição de combustão à eletricidade.

Um conceito interessante dentro dessa área, é a garagem solar. Lugares onde se estaciona o carro (elétrico) para carregá-lo com energia solar. Consumindo a energia de forma ainda menos agressiva à natureza. 

Energia portátil

baterias de alta capacidade de de armazenamento - energias renováveis

O uso de armazenamento de energia é cada vez maior. Com a alta dos carros elétricos chegando, é proporcional que baterias com grande capacidade de armazenamento também cresçam. Com isso, é provável que as casas, empresas e carros ganhem mais autonomia. Quando se tem a possibilidade de “guardar” energia elétrica, a consequência é positiva, pois alivia a demanda de geração. 

Em locais mais afastados, como zonas rurais, o armazenamento de energia é uma solução muito funcional. As redes elétricas têm mais dificuldade de chegar em localidades deste tipo.

Uma ajudinha do Estado?

Espera-se que cada vez mais o governo traga leis que direcionam e incentivem o mercado e os consumidores às práticas de energias renováveis, sustentáveis e limpas. Com planejamentos como o PNE 2050 e o PNE 2030. Estes trazem as perspectivas do mercado energético e o que o governo pretende instalar e aderir até as datas estimadas.

Leis de incentivo à inovação também são muito úteis para alavancar o mercado energético. Pois, uma área como essa necessita sempre de atualizações e pesquisa científica para melhorias de experiência do consumidor. 

A Lei do Bem e a Lei da Informática desempenham um papel importante no investimento em inovação. Desta forma, a área de energias renováveis precisa de inovações que contribuam com o crescimento da mesma. 

A ansiedade pela mudança. 

Enquanto novas práticas de geração, novos modelos de negócios e novas tecnologias, aos poucos são trazidos, fica a espera do crescimento. As expectativas são otimistas e gradativamente o mundo passa a consumir energia de forma mais responsável e consciente.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Gabriel Thozzi

Gabriel Thozzi

Estudante do 4° período de Comunicação Social - Relações Públicas Estagiário de Marketing Digital no Instituto de Redes Inteligentes

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email