Ensaios de desenvolvimento realizados pelo INRI, em transformadores

Os transformadores de potencial são dispositivos utilizados com o objetivo de controlar a corrente e a tensão para transmitir potência a alguma localidade consumidora; portanto, devem ser seguros, passando pelos ensaios necessários. Nesse âmbito, os ensaios de desenvolvimento realizados pelo INRI, em transformadores, nesse momento, buscam ajudar no desenvolvimento de produto.

Qual é a função desempenhada pelo transformador no sistema elétrico de potência?

Primeiramente, antes de falar dos ensaios, é necessário entender que em se tratando do objetivo de transmitir ou distribuir potência para consumidores, o transformador atua elevando a tensão (até 50 kV para casos de distribuição e, normalmente, entre 130 e 750 kV para transmissão). Isso porque, para uma mesma potência fixa, quanto maior a tensão, menor a corrente e, consequentemente, menores perdas e fios mais finos.

Ademais, uma vez que essa potência chega próxima ao ponto de consumo, tem-se outro transformador que abaixa essa tensão para os valores de consumo residencial (normalmente 380/220 V ou 220/127V). Assim, é possível entender a importância do transformador no mundo industrializado, atualmente, visto que os eletrônicos que utilizamos necessitam de energia elétrica para funcionar.

Onde o Programa Brasileiro de Etiquetagem entra nesse contexto?

Nesse contexto, o PBE – Programa Brasileiro de Etiquetagem, responsável por garantir ao consumidor que o transformador está em perfeito funcionamento, através da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia, determina que sejam realizados os seguintes ensaios: 

  • Resistência dos enrolamentos
  • Perdas em vazio, corrente de excitação e distorções harmônicas
  • Perdas em carga e impedância de curto circuito
  • Relação de transformação
  • Deslocamento angular
  • Polaridade
  • Sequência de fases
  • Elevação de temperatura
  • Suportabilidade de Impulso Atmosférico
Ensaios de desenvolvimento realizados pelo INRI, em transformadores

INRI setor Média Tensão – Instituto de Redes Inteligentes

Qual a função que o Instituto de Redes Inteligentes desempenha, atualmente, nos transformadores?

Uma vez entendidos os seguintes tópicos:

  • A importância do transformador e seu funcionamento básico geral
  • O Instituto de Redes Inteligentes está atuando nos ensaios de desenvolvimento dos produtos, pois está em processo de acreditação junto ao INMETRO.

Segue a descrição, nas palavras do Prof. Rafael Concatto Beltrame, Gerente Técnico do laboratório INRI setor média tensão,dos ensaios de desenvolvimento realizados pelo INRI, em transformadores:

  • Resistência de Enrolamentos
    • Medição da resistência CC dos enrolamentos de alta e baixa tensão do transformador (em cobre ou alumínio).
    • Nessa medição, emprega-se uma ponte Kelvin, também conhecida por miliohmimetro (JMAN Monitek 9930, que mede resistências de 0,001 a 1000 Ohms)
    • Esse ensaio não reprova o transformador, mas seus dados são empregados para a estimativa das perdas Joule nos enrolamentos.
  • Relação de Transformação
    • Medição da relação de espiras entre as bobinas de alta e baixa tensão do transformador.
    • Emprega-se um TTR — Transformer Turn-Ratio (JMAN Monitek 9610, que mede relações de 30 a 300).
    • Esse ensaio pode reprovar o transformador caso a relação apresente um erro superior à 0,5% com relação à norma.
  • Impedância de Curto-Circuito e Perdas em Carga
    • Também conhecido como ensaio de curto-circuito, já que o transformador é alimentado pela alta tensão com a baixa em curto (não confundir com o ensaio de capacidade de curto-circuito, que é destrutivo e poucos laboratórios realizam).
    • Emprega-se um wattímetro/termômetro (JMAN Monitek 9451).
    • Aplica-se a corrente nominal do transformador e se mede simultaneamente as perdas Joule nos enrolamentos de alta e baixa tensão.
    • Já que o transformador está em curto e se conhece a tensão aplicada no ensaio, também é possível determinar a impedância de curto-circuito (normalmente fornecida em pu. ou valor percentual).
    • Isoladamente, esse ensaio não reprova o transformador. As perdas totais (soma das perdas em carga e das perdas em vazio) podem reprovar o transformador.
  • Perdas em Vazio e Corrente de Excitação
    • Também conhecido como ensaio de circuito-aberto, já que o transformador é alimentado pela baixa tensão com a alta em aberto.
    • Emprega-se um wattímetro/termômetro (JMAN Monitek 9451).  
    • Aplica-se a tensão nominal do transformador e se mede as perdas no núcleo (devido às correntes parasitas, histerese e adicionais).
    • Já que o transformador está em vazio e se conhece a corrente consumida, também é possível determinar a corrente de excitação.
    • Esse ensaio pode reprovar o transformador.
  • Elevação de Temperatura
    • Também conhecido como ensaio de aquecimento. Sua duração varia de 8 a 24h, dependendo da potência do transformador. 
    • Emprega-se um wattímetro/termômetro (JMAN Monitek 9451).
    • Sua configuração elétrica é equivalente à do ensaio de perdas em carga, porém controla-se a potência dissipada pelo transformador.
    • Mede-se a temperatura ambiente (3 sensores) e a temperatura no topo do óleo (1 sensor).
    • Esse ensaio pode reprovar o transformador caso a elevação de temperatura (Tóleo – Tambiente) exceda o limite definido na norma (50, 60 ou 70ºC).
    • Além disso, durante esse ensaio também realiza-se a medição da resistência ôhmica dos enrolamentos para determinar, de modo indireto, a temperatura média de operação dos condutores.  Esse ensaio também pode reprovar o transformador caso a elevação de temperatura (Tcondutores – Tambiente) exceda o limite definido na norma (55, 65 ou 75ºC).  
  • Tensão Suportável à Frequência Industrial
    • Também conhecido como ensaio de tensão aplicada.
    • Usa-se um transformador de potencial (TP) auxiliar para aplicar uma diferença de potencial simultaneamente entre os três enrolamentos de alta e os três enrolamentos de baixa tensão do transformador. Normalmente, se trabalha com o dobro da tensão nominal por 1 min.
    • Esse ensaio pode reprovar o transformador caso romper-se o isolamento interno (ensaio destrutivo).
  • Tensão Induzida de Curta Duração
    • Sua configuração elétrica é equivalente à do ensaio de perdas em vazio (com alimentação pela baixa tensão), porém usualmente se aplica o dobro da tensão nominal do transformador por 1 min — na verdade, quanto maior a tensão, menor o tempo requerido, ao limite mínimo de 15 s. Devido à alimentação ocorrer com o dobro da tensão, também se dobra a frequência (120 Hz) para evitar a saturação do núcleo magnético.
    • Esse ensaio pode reprovar o transformador caso romper-se o isolamento interno (ensaio destrutivo).
  • Tensão Suportável de Impulso Atmosférico
    • Emprega-se um gerador de impulso (GI) (HVEX, que aplica impulsos de até 800 kV e 40 kJ), que basicamente é um grande banco de capacitores que é carregado com a tensão de impulso (NBI ou nível básico de impulso), que varia de acordo com a classe de tensão do transformador ensaiado.
    • Aplica-se o impulso a uma bucha do transformador com todas as demais buchas aterradas. Por exemplo, em um transformador trifásico, uma fase da AT é alimentada pelo GI e as demais 7 buchas (2 fases restantes da AT, 3 fases da BT, 1 Neutro e 1 Terra) são aterrados. Repete-se esse procedimento para as 6 fases do transformador (3 da AT e 3 da BT). Mede-se simultaneamente a tensão aplicada (forma de onda impulsiva) e a corrente.
    • Esse ensaio pode reprovar o transformador caso romper-se o isolamento interno (ensaio destrutivo). Essa informação é obtida a partir da comparação das formas de onda com impulso reduzido (por exemplo, metade do NBI) e pleno (no NBI).

No momento, o ensaio de suportabilidade a impulso atmosférico não está sendo realizado devido a problemas no Gerador de Impulso. No entanto o mesmo já está em manutenção e logo será implementado novamente aos ensaios de desenvolvimento realizados pelo INRI, em transformadores.

Em resumo, ensaios realizados no PBE buscam determinar os parâmetros do transformador, como relação de transformação, suportabilidade a vários níveis de tensão e frequência, bem como elevação de temperatura e suportabilidade de dielétrico. Se o transformador é aprovado nesses ensaios, ele está apto para receber a ENCE e quem o compra tem a garantia de qualidade do produto. 

Ademais, os ensaios ensaios de desenvolvimento realizados pelo INRI, em transformadores, buscam auxiliar o desenvolvimento do produto, visto que o Instituto de Redes Inteligentes está em acreditação junto ao INMETRO.

Siglas

  • PBE – Programa Brasileiro de Etiquetagem.
  • ENCE – Etiqueta Nacional de Conservação de Energia.
  • INRI – Instituto de Redes Inteligentes UFSM.
  • AT – Alta Tensão.
  • BT – Baixa Tensão.
  • GI – Gerador de Impulso.
  • TP – Transformador de Potência.
  • INMETRO – Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia.

OBS: Todas as informações contidas nesse texto estão presentes na ABNT NBR 5356-11-2016 Versão corrigida 2016.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Alex Cancian Goulart

Alex Cancian Goulart

Formado em Eletrotécnica no Colégio Técnico Industrial de Santa Maria, aluno do curso de graduação em Engenharia Elétrica e assistente de negócios na parte comercial do Instituto de Redes Inteligentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email